Brincadeira: Fórmula mágica que integra todos sem distinção

Por: Prof. Dr. Antônio Xavier – Co-Founder do COGNVOX

Fonte: E-Book Brincar e Inclusão de Patrícia Camargo e Patrícia Marinho

Como sabemos, a deficiência é só uma das diversas característica com a qual podemos nascer ou adquirir ao longo da vida. Por isso, todos nós precisamos aprender a conviver de forma natural com as nossas próprias deficiências e com as das outras pessoas sem estranhamentos nem questionamentos.

Independentemente de nossa condição física, motora ou mental, todos nós precisamos de momentos de descontração, de passatempos que sejam divertidos, instrutivos e envolventes. Então, nada mais aconselhável do que passar parte do nosso tempo livre brincando.  

A brincadeira sempre foi a fórmula mágica que a criatividade humana encontrou para estabelecer momentos espontâneos de interação entre os brincantes. Brincar tem o condão de integrar ludicamente os participantes sem qualquer distinção de gênero, cor, raça, etnia, idade, sexo, classe social. O brincar é uma das maneiras mais simples de incluir.

Sim, a brincadeira é uma poderosa ferramenta de inclusão. Para tirar o melhor proveito das brincadeiras, seguem cinco sugestões deste blog para você que é pai, mãe ou responsável que poderão ajudá-lo/a na hora da colocar crianças típicas e crianças com deficiência para brincarem juntas.

Sugestão 1 – Sugira brincadeiras que privilegiem as capacidades e não as que reforcem as diferenças. Se uma das crianças tiver dificuldade de realizar uma das atividades da brincadeira, é importante indicar uma outra que destaque o que aquela criança tem de melhor. Assim, o grupo a conhecerá pelo que ela tem de bom e não pelo que ela não consegue fazer.

Sugestão 2 – Se for necessário, adapte as regras para que todos possam participar sem qualquer obstáculo para a criança com deficiência. As demais crianças certamente vão concordar com a mudança proposta, pois o que vale para elas é a diversão.

Sugestão 3 – Interfira na brincadeira só se for para incluir. Esta sugestão é um complemento da anterior. O objetivo é fazer com que todas as crianças brinquem juntas. Não é legal deixar alguma de fora. Porém, essa interferência só deve ocorrer se as crianças não tiverem achado antes uma solução sozinhas, o que em geral acontece.

Sugestão 4 – Não classifique as brincadeiras como mais adequada a criança com determinada deficiência e menos adequada à outra. Deficiência tem uma grande amplitude, por isso não dá para questionar se uma brincadeira é melhor para um autista e ruim para uma criança com deficiência visual. As próprias crianças definem seus limites do que podem ou não podem brincar.

Sugestão 5 – Adote atitude positiva sempre acreditando na capacidade de superação e no jeitinho que cada uma delas dará para conseguir brincar. Nada de coitadismo ou vitimização. Tudo que uma criança com deficiência não precisa é que se destaque um suposto problema.

Essas são, portanto, as cinco dicas que nosso blog deixa para você que é pai, mãe ou responsável por crianças com deficiência. Leve-as sem receio a espaços de convivência e as estimule a brincar com as outras crianças com a naturalidade e a pureza que lhes são peculiares.

Gostou do conteúdo?

Compartilhe com quem você gosta

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rua do Sossego, 706
Santo Amaro - Recife/PE

+55 + xx + 81 . 3427.3188

Copyright © 2020 COGNVOX · Todos os Direitos Reservados